Arquivo mensais:março 2015

Exposição comemorativa dos 50 anos da menina Mafalda em São Paulo

Exposição comemorativa dos 50 anos da menina Mafalda em São Paulo

Em visita à Exposição comemorativa dos 50 anos de Mafalda, fiz algumas fotografias para publicar aqui no Bloginforma. Quem perdeu tem a oportunidade de ver algumas imagens interessantes e conhecer um pouco melhor essa menina esperta.

Mafalda (6) Mafalda (7) Mafalda (8) Mafalda (9) Mafalda (10) Mafalda (11) Mafalda (12) Mafalda (13) Mafalda (14) Mafalda (15) Mafalda (16)

Em seguida um pouco sobre a obra e o seu criador, o argentino Quino.

Mafalda (122)

” Em 1963, publica seu primeiro livro de humor, “Mundo Quino”, uma coleção de desenhos de humor mudo com prefácio de Miguel Brasco. O mesmo Brasco apresenta a Agens Publicidad,que procurava um artista para criar uma história em quadrinhos que mesclasse “Peanuts” e “Blondie” para divulgar o lançamento de uma linha de produtos de aparelhos chamados Mansfield, por isso os nomes de alguns dos personagens devem começar com a letra M, Mafalda. A Agens faz sua campanha, mas Quino fica com algumas tiras que seriam úteis, alguns meses depois, quando trouxe para a vida do personagem que o tornaria famoso.

Mafalda, a menina de cabelos negros que odeia sopa e entra em conflitos com os adultos, foi publicada pela primeira vez em 29 de setembro de 1964 no semanário Primera Plana de Buenos Aires. Em 9 de março de 1965, com a entrada dos quadrinhos no jornal El Mundo (Quino publicava seis tiras por semana), começa o sucesso imparável do personagem, que atravessa as fronteiras nacionais para conquistar a América do Sul e, em seguida, estende-se para a Europa, ganhando uma posição de liderança no imaginário coletivo.

Jorge Álvarez Editor publica o primeiro livro de Mafalda, em ordem de publicação, como foi feito nos seguintes. Sai na Argentina para o Natal, em dois dias a tiragem de 5.000 exemplares se esgotou.

Na Itália, foi editado em 1969, o primeiro livro, “Mafalda a contestataria” com a apresentação de Umberto Eco, diretor da coleção.

O grande sucesso e fama internacional não impediu Quino tomasse, a 25 de junho de 1973, uma decisão desconcertante para alguns: não divulgar mais tiras de Mafalda, já não sentia a necessidade de usar a estrutura expressiva das tiras em sequência. No entanto, manteve-se inalterado o interesse por Mafalda. Seus livros continuam a ser reproduzidos e ainda escolhidos para participar de diversas campanhas sociais (UNICEF, Cruz Vermelha Espanhola, o Ministério das Relações Exteriores da República da Argentina). Quino doravante conhecido como continuar publicando suas páginas de humor que foram agrupados na coleção de seus livros Humor semanal.”

(Trecho retirado e traduzido do Site de Quino em 28/03/2015)

Mafalda (88) Mafalda (87) Mafalda (85) Mafalda (84) Mafalda (83) Mafalda (82) Mafalda (86) Mafalda (81)

Hora do Planeta 2015

Hora do Planeta

Hora do Planeta

Antes de tudo

Antes de tudo

Antes dar pra quem precisa do que ir pra Suíça…

Antes alimentar quem morre de fome

do que pagar banquetes regados a champanhe e caviar.

Antes levantar casa humilde pra quem não tem onde morar e trabalha dia após dia

do que bancar mansões e castelos pra sanguessugas que desconhecem o verbo trabalhar…

Antes de mais nada é preciso separar o joio do trigo,

é preciso saber de que lado estão os bandidos…

É preciso saber quem são os inimigos.

É preciso não acreditar em tudo que nos mostram.

Nem tudo é verdade, nem tudo que brilha é ouro, no escuro todos os gatos são pardos.

A vênus platinada conta meias verdades, ou inventa verdades.

Não Veja as mentiras da revista,

não aceite tão fácil a comida mal preparada para dar dores de barriga.

O Circo – Charles Chaplin

O Circo – Charles Chaplin

Um batedor de carteiras (Steve Murphy) está agindo em meio a multidão. Para evitar que seja pego, ele coloca uma carteira roubada no bolso do vagabundo (Charles Chaplin), sem que ele perceba. Quando a polícia se afasta, o batedor volta para recuperar o dinheiro perdido. O vagabundo foge, tanto do batedor quanto da polícia, e acaba entrando sem querer no picadeiro de um circo local. Suas trapalhadas fazem enorme sucesso junto ao público, sem que ele perceba. O dono do circo (Al Ernest Garcia) resolve então contratá-lo e fazer dele sua atração principal.

 

 

Fonte: Adoro Cinema e Youtube

Cenas da intolerância: Suplicy tenta evitar agressão policial em SP