Arquivo mensais:outubro 2017

#FORA TEMER

#FORA TEMER

Fora Temer!

Uma pesquisa Ibope exibe a sufocante rejeição do presidente ilegítimo, cuja “reforma mercadológica” será encaminhada com urgência. É um “Plano Marshall”, segundo seus autores

Os marqueteiros de Michel Temer anunciam uma mudança radical na imagem do presidente ilícito da República, articulador do golpe que tirou o poder legítimo das mãos da presidenta Dilma Rousseff. Aguarde-se o resultado.

A transformação não será feita com plástica ou com Botox. Seriam recursos mais fáceis. O objetivo, porém, é mudar a popularidade de um governo que desceu a modestíssimos 3% de aprovação, segundo as pesquisas mais recentes.

O movimento publicitário, articulado no Palácio do Jaburu, está sendo chamado de “Plano Temer” equiparável, dizem, a um Plano Marshall moderno. Aquele que reanimou o capitalismo após a Segunda Guerra Mundial.

A tarefa, com Temer, será a de mudar a imagem de um presidente “reformista”, fracassado, para uma dificílima condição de “transformador”, destinado também à ruína.

A esperança não se sustenta na realidade. O que foi tentado até agora não deu certo. Um exemplo claro é o do envio de tropas das Forças Armadas para o Rio de Janeiro, com a finalidade de caçar traficantes na Rocinha. Um malogro das FFAA na tarefa própria de ações policiais.

Houve tentativas mais banais. Temer já distribuiu presentes de Natal para crianças, vestiu a touca da Seleção Brasileira de Polo Aquático e, garantem, foram eliminadas as mesóclises do discurso dele, por si só, de duvidosa qualidade. Tudo isso, e alguma coisa mais, resultou em esforço inútil. A imagem continua negativa.

Há de carregar dois erros na controvertida história política de Temer: a ilegitimidade de presidente, carimbada no movimento Fora Temer, e a corrupção como “chefe de quadrilha” aplicada nele por Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República.

A conjuntura aponta um resultado inédito. Ela mostra os resultados fulminantes colhidos pelo Ibope entre os dias 15 e 20 de setembro. A avaliação do governo de Michel Temer, em 12 áreas administrativas testadas pela pesquisa, mostra a rejeição sufocante do governo. É um Fora Temer apontado por todo o País.

É bom considerar a margem de 2% de erro técnico da pesquisa. Nesse caso, o otimista fervoroso dirá que os 3% de apoio a Temer podem ser elevados, então, a 5%. Por outro lado, a realidade pode rebaixá-lo de 3% para 1%.

Fonte: Carta Capital

John Lennon – Stand by me … Eu mesmo

John Lennon – Stand by me

Eu mesmo

Eu sou o demônio que mora nos seus sonhos
Eu sou o rei que comanda seus pensamentos
Não tente fugir de mim

Eu sigo você onde quer que você vá
Não tente dizer que eu não existo
Porque eu sou imortal

Eu sou o deus dos seus sonhos
Eu sou a besta que comanda suas ideias

Se você não me ama, eu não me importo
Se você não pode me deter, eu não ligo
Se você não pode me guiar, eu não me importo
Se você não me tem amizade, eu amo você

Não corra de mim
Não tente me esquecer
Não diga que prefere morrer

Venha pra perto de mim
Venha beijar meus lábios
Venha dividir a cama comigo
Venha viver minha vida

Beije-me
Abrace-me
Viva-me
Ama-me

Aécio Neves no Senado de novo – inJustiça seja feita

Aécio Neves no Senado de novo – inJustiça seja feita

Umas mãos lavam as outras

Fonte: Uol Notícias

Hacking Wave: projeto de HQ no Catarse resgata estética futurista dos anos 80

Em um mundo dominado pela tecnologia e por superpopulações, pessoas vivem suas vidas oprimidas pela desesperança de um futuro sem perspectivas. O que aconteceria, no entanto, se esses indivíduos fossem capazes de mudar totalmente a sua realidade acessando de maneira alternativa todo esse universo digital?
Esse é o universo de Hacking Wave, um gibi inédito de 36 páginas. Em sua primeira edição, ela traz duas histórias em quadrinhos ilustradas por Pedro Okuyama – Faça a Evolução e Sol Negro no Horizonte – roteirizadas por Zaheer e Larissa Palmieri, respectivamente.

Sobre o projeto
O projeto Hacking Wave surgiu a partir da crescente nostalgia do movimento de ficção científica, mais especificamente o cyberpunk dos anos 80 e 90.
As narrativas trazem esse elementos para as vidas de jovens que aproveitam as oportunidades, transgredindo as limitações impostas pela frieza com a qual uma sociedade extremamente tecnológica os trata.
Hacking Wave é um quadrinho para fãs de Akira, Ghost in The Shell, Blade Runner, Robocop, Rock and Rule, Redline, Serial Experiments Lain, Aeon Flux, Animatrix, Juiz Dredd, Batman.
O álbum conta com um total de 36 páginas, com capa colorida em couche fosco de 170g e páginas internas em preto e branco, impressas em Off Set 90g. Formato americano.
O lançamento do gibi vai acontecer na Comic Con Experience de 2017, no Artist’s Alley.
Campanha de financiamento coletivo no Catarse

Para custear a parte gráfica, o trio de quadrinistas busca a oportunidade de viabilizar o seu projeto na plataforma Catarse, a mais conhecida do gênero no Brasil. O valor total, de R$ 2000, atingiu 39% da meta até o momento e vem crescendo com bom desempenho.

Com preços acessíveis, a partir de R$15, e opções de recompensas como marca páginas, cartões postais, posters e artes originais, o leitor tem diversas opções de ajudar a viabilização do projeto e ainda receber brindes exclusivos.

Para ver mais detalhes e receber novidades do projeto, basta acessar o link https://www.catarse.me/hackingwave ou acompanhar a fanpage oficial do projeto no facebook https://www.facebook.com/hackingwavehq/

Pico do Jaraguá

Pico do Jaraguá

No último domingo, dia 15, fiz uma visita ao Pico do Jaraguá. Foi bastante legal e proveitosa. Depois eu conto como foi e posto as fotos aqui…

Acordei cedo, por volta das 8h da manhã. Saí de casa umas 9h. Peguei uma lotação até o metrô. Fui de metrô até a estação Barra Funda. Lá peguei um trem da CPTM até a estação Jaraguá. Depois peguei dois ônibus pra chegar até o Pico. Viagens curtas de ônibus. Uns 10 a 15 minutos até chegar na entrada do Parque Estadual Jaraguá onde fica o Pico.

Entrei, tirei umas fotos de uns patos que ficam por ali. Tenho dúvidas se são patos. As fotos com certeza eu tirei. Como já tinha um tempo que eu havia tomado o café da manhã, tomei um lanchinho antes de subir o morro.

Enquanto comia, via os passantes. Eram pessoas normais, mas cada um com suas manias, fetiches, roupas diferentes, brincadeiras e esquisitices. Acho que eu também era esquisito pra eles. Somos quase todos esquisitos.

Desta vez levei a câmera e tirei várias fotos. Destaque para as fotos da trilha do Pai Zé, que eu tirei completa, trecho a trecho, do início até o fim. Também tirei fotos lá de cima, da paisagem ao redor da antena principal que tem no topo do Pico.

O dia estava bom pra subir o morro, mas havia poucas pessoas no parque. Eu achei bom. Assim não tinha gente atrapalhando as fotos.

A subida foi tranquila. Não foi cansativa. Estou em boa forma.Nem precisei parar pra tomar um fôlego. Subi em primeira até o fim. Deu umas dores leves no músculos,mas nada que me fizesse parar.

Quando cheguei lá em cima, dei uma volta ao redor da antena para ver a paisagem. O Pico é o ponto mais alto da cidade de São Paulo. É legal estar lá e ver as coisas. Tirei umas fotos e fiz uma filmagem. Fiz uma breve refeição e fiquei ali só observando, descansando e meditando.

Muitas coisas passaram pela minha cabeça. Não dá pra contar muito. Foram coisas banais, cotidianas e algumas muito pessoais. Eu queria limpar a mente um pouco. Queria respirar um ar puro, oxigenar a mente, pensar nas coisas da vida, fazer alguns planos e arquitetar sua realização.

Não sei exatamente quanto tempo levei para subir, talvez uma hora ou alguns minutos mais . Pra descer foi um raio: 30 minutos. Eu me surpreendi, tinha visto que o tempo de subida e descida era de 2 horas e meia.

Fui ao ponto, peguei um ônibus até perto da estação de trem, peguei o trem até a Barra Funda. De lá fui de metrô até Artur Alvim e peguei uma van até perto de casa. Eram por volta de 18h 30 quando cheguei em casa.