Arquivos da categoria: Economia

A Reforma da Previdência vai prejudicar e muito

Esta Reforma da Previdência vai prejudicar os trabalhadores  e muito…

Esta Reforma é obra de Temer e alguns corruptos que habitam o Congresso Nacional (deputados e senadores da base Temerosa).

Temer já assinou a terceirização. Vamos deixar este golpista assinar a Reforma???

Tão acreditando mesmo nas propagandas enganosas que passam na TV, inclusive nos jornais?

ACORDEM AGORA OU MORRAM SEM SE APOSENTAR

Vamos lutar contra as reformas trabalhistas e previdenciárias

Vamos lutar contra as reformas trabalhistas e previdenciárias

Vamos lutar contra as reformas trabalhistas e previdenciárias porque elas prejudicam os trabalhadores.

NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Para: Congresso Nacional

A reforma da previdência prejudica os trabalhadores do Brasil e impõe a eles o pagamento
de uma dívida de anos de má administração dos recursos.
Uma mudança tão importante que impacta a vida dos trabalhadores deve ser construída
com a participação popular para que seja compatível com a democracia e não da forma
como está sendo feita por imposição, como acontece numa ditadura.
O governo precisa representar o povo e não ser contra ele.
Se vocês são contra elas, tomem uma atitude.
Deixem suas opiniões nos comentários…

Você poderá ter que trabalhar 14 horas diárias sem receber horas extras

Você poderá ter que trabalhar 14 horas diárias sem receber horas extras

Leonardo Sakamoto

Por André Campos, para a Repórter Brasil

A reforma trabalhista do governo Michel Temer pode permitir que horas de trabalho antes remuneradas como horas extras sejam incorporadas à jornada normal sem pagamento adicional.  Atualmente, todo empregado que faz hora extra tem direito a receber um adicional de, no mínimo, 50% sobre o valor da hora normal.

Isso acontece porque a proposta permite que sindicatos e empregadores negociem jornadas de até 220 horas mensais, mas não estabelece critérios claros para diferenciar o que seria, dentro desse limite, horário regular ou trabalho extraordinário.

“A intenção é justamente permitir acordos coletivos com jornadas longas, de 10, 12 ou até 14 horas num dia, sem o pagamento de horas extras”, avalia Valdete Severo, juíza do Trabalho no Rio Grande do Sul.

Na ponta do lápis, o prejuízo ao trabalhador pode ser grande. Alguém que ganha dois salários mínimos, R$ 1.874,00, pode perder cerca de R$ 366,28 por mês – o equivalente a 20% da renda. Isso aconteceria no caso desse funcionário trabalhar todas as 220 horas mensais previstas na proposta, o que soma 2.640 horas ao ano. De acordo com as regras atuais, ao menos 344 horas na jornada anual desse funcionário seriam horas extras.

Esta é, na verdade, uma estimativa conservadora. As perdas do trabalhador seriam ainda maiores se levássemos em conta os feriados e os casos de trabalho aos domingos, quando as horas extras precisam ser pagas com 100% de acréscimo.

Menos que o salário mínimo – Outra mudança importante será na remuneração por produtividade, que passa a ficar sujeita aos arranjos feitos em acordos e convenções coletivas. O maior receio é que isso desobrigue empregadores a pagar o piso de categorias ou até mesmo o salário mínimo. Para Jorge Ferreira dos Santos Filho, coordenador da Articulação dos Empregados Rurais do Estado de Minas Gerais, esses são problemas que já acontecem na prática no meio rural, mas que são passíveis de punição pela justiça.

Um exemplo é a colheita do café. Trabalhadores recebiam menos do que o salário mínimo em ao menos metade de 30 cafezais inspecionados pelo Ministério Público do Trabalho na região sul da Bahia entre maio e agosto de 2016. Segundo o procurador Ilan Fonseca, que coordenou as ações, a remuneração da lata – medida de aproximadamente 60 litros onde os empregados colocam o café colhido – gira em torno de R$ 2 a R$ 4, dependendo do local. “Muitos, especialmente os mais idosos, não conseguem receber mais do que R$ 500 ou R$ 600”, relatou o procurador.

Fonte: Blog do Sakamoto

A Reforma da Previdência e outras maldades

A Reforma da Previdência e outras maldades

Confesso que tenho ficado assustado e decepcionado com a atitude de boa parte dos brasileiros diante das maldades praticadas pelo ilegítimo Temer. Tenho ficado triste e indignado com a falta de atitude contra estas maldades que nos atingem e vão atingir ao longo dos anos.

A PEC 55 foi votada e aprovada em nome de cortes de gastos. Porém, não é bem assim. Dinheiro utilizado em Saúde, Educação e Seguridade Social não é gasto, é investimento. São dois conceitos bem diferentes. O povo, manipulado pela mídia, especialmente pela Rede Globo e outras redes, acreditou nas mentiras divulgadas. Não se posicionou, não foi às ruas defender Direitos Básicos. Alguns foram, tiveram atitude. Eu fui e vou sempre que sentir um Direito ameaçado.

O Povo acomodou-se. Esperou que outros tomassem a atitude que ele tinha que tomar. Foi covarde. Foi preguiçoso. Ficou esperando que outro fizesse aquilo que ele tinha de fazer. Não se levantou contra as injustiças que estavam prestes a acontecer. Não saiu às ruas para defender o seu. Quando chamado pela mídia pra derrubar injustamente uma presidente eleita legitimamente e correta, não teve coragem de analisar os fatos, de questionar as acusações, de verificar que não havia crime para derrubá-la. Não fez valer sua vontade eleitoral. Foi covarde. Foi omisso. Ficou esperando que os outros fizessem aquilo que ele tinha de fazer. Deixou que deputados e senadores mal intencionados votassem a favor do impeachment. Os mesmo que votaram pela PEC 55, pela redução de recursos para Saúde e Educação por 20 anos.

Agora querem aumentar o tempo de contribuição da Previdência, a idade para aposentadoria, igualar as idades de homens e mulheres (ignorando as particularidades das jornadas femininas), igualar o tempo de contribuição das diversas atividades profissionais (ignorando que umas atividades desgastam mais física e mentalmente do que outras). Querem aumentar nossas contribuições porque dizem que há um rombo na Previdência. Isso a Rede Globo e outras redes divulgam.

Especialistas dizem que há um superávit e que o governo manipula os números

Uol Economia

ISENÇÃO DE IMPOSTOS

ROMBO É FARSA: No vídeo, a Anfip afirma que mais da metade do rombo da Previdência em 2015 se deve a renúncias previdenciárias, ou seja, isenção de impostos ou contribuições dadas pelo governo a empresas.

Com essas isenções, a Previdência deixou de arrecadar R$ 69,7 bilhões no ano passado, de acordo com a Anfip, o que representa 81,2% do rombo em 2015.

ROMBO É REAL: De acordo com dados da Receita Federal, as renúncias previdenciárias somaram R$ 64,2 bilhões em 2015, menos do que o alegado pela Anfip. “Mesmo que tivesse os recursos provenientes das renúncias, a Previdência Social ainda seria deficitária”, afirmou a Secretaria de Previdência.

Para Gilberto Braga, professor de finanças do Ibmec/RJ, os argumentos da Anfip são questionáveis. “É importante dizer que isenções não existem de forma isolada. Ninguém concede benefício por si só, sem contrapartida. A maioria tem justificativas macroeconômicas”, afirma.

Ele cita que, por exemplo, a isenção pode ser dada a um determinado setor ou empresa para evitar demissões ou estimular contratações. Com emprego assegurado, esses trabalhadores estimulam a economia, contribuindo com impostos e gerando consumo, por exemplo. “Você perde de um lado, mas ganha de outro”, diz.

“Lógico que, sem contrapartida –por exemplo por ser um favor político- a isenção tem que ser cortada”, diz Braga. “Por isso é necessário revisar as isenções constantemente”.

SEGURIDADE SOCIAL

ROMBO É FARSA: Outro argumento da Anfip é que o governo considera apenas a contribuição de trabalhadores e empresas para calcular o resultado da Previdência. Segundo a entidade, teria de ser considerada também a arrecadação de outras contribuições sociais, como a CSLL (Contribuição Sobre Lucro Líquido), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e PIS/Pasep.

Isso porque a Previdência faz parte da Seguridade Social, que também inclui Assistência Social e Saúde. Quando somada a receita de todas essas contribuições e descontados os gastos com o pagamento dos benefícios aos cidadãos e as renúncias previdenciárias, ainda assim o saldo seria positivo: R$ 11,1 bilhões, de acordo com cálculo da Anfip.

ROMBO É REAL: A Previdência, no entanto, afirma que a Seguridade Social também tem rombo. Em 2015, o prejuízo foi de R$ 166,5 bilhões, de acordo com dados do Orçamento Federal. No acumulado de janeiro a outubro, a conta está negativa em R$ 202,2 bilhões.

Gilberto Braga defende que as contas da Previdência devem ser analisadas de maneira isolada, separadas das demais.

“A questão metodológica (para calcular o deficit da Previdência) é pertinente. Existem formas diferentes de mensurar. Mas, do ponto de vista prático, falta dinheiro”, afirma. “O efeito é que cada caixinha tem que ser olhada, na minha visão, de maneira isolada. A Previdência, no que tange à aposentadoria, é deficitária”.

DESVINCULAÇÃO DE RECEITAS

ROMBO É FARSA: A Anfip diz, ainda, que o governo utiliza indevidamente, desde os anos 1990, recursos das contribuições sociais para pagar juros da dívida pública por meio do mecanismo da DRU (Desvinculação de Receitas da União). Isso permite ao governo gastar dinheiro de uma área em outra.

“O governo contraria a Constituição ao utilizar recursos das contribuições sociais para pagar a dívida pública. Se quer mexer nos direitos, tem de mostrar dados verdadeiros”, declara a presidente da Fundação Anfip, Maria Inez Rezende Maranhão.

ROMBO É REAL: A Previdência afirma que a DRU é uma Emenda Constitucional, ou seja, uma modificação na lei. A última atualização da DRU foi aprovada pelo Congresso em setembro e permite ao governo utilizar livremente até 30% da arrecadação com contribuições sociais.

O professor Gilberto Braga diz que a DRU está “dentro da regra constitucional”. “É possível rever a DRU, mas o governo não está agindo de maneira ilegal ou inconstitucional”, afirma.

Braga, porém, concorda em parte com o argumento da Anfip. Ele faz críticas à atual política de desvinculação, por ser “excessiva e muito ampla”, e não ser destinada a benefícios sociais.

“Deveria tirar talvez da Previdência, não para pagar juros da dívida, mas pagar algo que, pelo menos indiretamente, beneficiasse a Previdência, como em obras de saneamento, redes de água e esgoto, por exemplo”, diz.

NO CAMINHO COM MAIAKÓVSKI

Eduardo Alves da Costa

“ (…)Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada. (…)”

 

Caso você concorde, agradeço que assine o abaixo-assinado e que ajudem na sua divulgação através de um email para os seus contatos.

«NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA» no endereço http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR96483

Obrigado.

Profsp

Que tal falarmos e agirmos sobre Política?

Que tal falarmos e agirmos sobre Política?

O analfabeto político

O pior analfabeto
É o analfabeto político,
Ele não ouve, não fala,
nem participa dos acontecimentos políticos.

Ele não sabe que o custo de vida,
o preço do feijão, do peixe, da farinha,
do aluguel, do sapato e do remédio
dependem das decisões políticas.

O analfabeto político
é tão burro que se orgulha
e estufa o peito dizendo
que odeia a política.

Não sabe o imbecil que,
da sua ignorância política
nasce a prostituta, o menor abandonado,
e o pior de todos os bandidos,
que é o político vigarista,
pilantra, corrupto e o lacaio
das empresas nacionais e multinacionais.

(Berthold Brecht)

É o cara que deixa de votar, deixa que outros escolham quem vai administrar sua cidade,seu estado, seu país…

Que não se liga nas ações dos políticos profissionais: os vereadores, os deputados, os senadores, os governadores, os presidentes…

Que não liga para o que fazem com os impostos pagos, que não liga para a retirada de Direitos Trabalhistas, de Direitos Constitucionais da Educação , da Saúde, da Assistência Social tão necessários ainda em todos os cantos do Brasil…

Que espera que os outros briguem por eles quando eles têm que por os pés nas ruas, por a boca no trombone e dizer em bom e alto tom:

VOCÊS NÃO ESTÃO AUTORIZADOS A RETIRAR NOSSOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS! VOCÊS NÃO PODEM TENTAR NOS ENGANAR E QUERER QUE ACREDITEMOS NAS MENTIRAS QUE VOCÊS NOS CONTAM! VOCÊS PRECISAM FAZER MELHOR OS SEUS TRABALHOS E MELHORAR NOSSAS CONDIÇÕES DE VIDA! OS MAIS RICOS, OS GRANDES EMPRESÁRIOS, OS GRANDES LATIFUNDIÁRIOS TÊM QUE PAGAR MAIS IMPOSTOS PORQUE ELES TÊM MELHORES CONDIÇÕES QUE A GENTE! ELES NÃO PODEM TER ISENÇÕES DE IMPOSTOS PORQUE ELES JÁ NOS EXPLORAM COBRANDO ALTOS PREÇOS E PAGANDO BAIXOS SALÁRIOS! VOCÊS NÃO ESTÃO AUTORIZADOS A NOS CAUSAR PREJUÍZOS! SE HÁ DÍVIDAS, É MUITO JUSTO QUE OS QUE TÊM MAIS PAGUEM MAIS

Enquanto ficarmos esperando que  só os outros briguem pelos nossos direitos, estamos condenados a ser enganados, escravizados e explorados por pequenos grupos de privilegiados. O Brasil é um país muito rico, mas a riqueza está nas mãos de pequenos grupos. Temos que exigir que eles paguem também pelas dívidas que pertencem a todos.

Existem Políticos e “políticos”, cabe a nos escolhermos aqueles que melhor representam verdadeiramente nossas necessidades coletivas.

 outubro-rosa