Arquivos da categoria: Meio Ambiente

Verde, natureza, mata, amazonia.

Mata Atlântica em Sampa

Mata Atlântica em Sampa

“Aqui tem Mata?” é um aplicativo que busca informar o público sobre a existência de áreas remanescentes de Mata Atlântica no país. Para isso, utiliza a busca por localidade e a visualização de dados.

Mapas interativos e gráficos trazem a informação atualizada sobre o estado de conservação de florestas, mangues e restingas nos 3.429 municípios onde a Mata Atlântica existe ou um dia existiu. Também podem ser visualizadas as áreas protegidas, como parques e reservas em níveis federais, estaduais e municipais, além das Reservas Particulares de Patrimônio Natural (RPPNs) desde que tenham ao menos 3 hectares de área contínua bem preservada.

A ferramenta foi feita para funcionar na web, em tablets e celulares. Sua intenção é ser acessível e permitir que pessoas possam reutilizar os dados com finalidades de educação e defesa da proteção da floresta.

Acreditamos que a compreensão da distribuição territorial dos remanescentes florestais, bem como o acompanhamento da taxa de desmatamento pode enriquecer o debate sobre a importância da Mata Atlântica na sociedade brasileira.

Os dados são originados do Atlas da Mata Atlântica, monitoramento que gera relatórios anuais sobre o estado de conservação da floresta. Dados adicionais, relatórios técnicos, mapas, estatísticas e arquivos vetoriais (shapefile) podem ser obtidos no servidor de mapas: http://mapas.sosma.org.br/.

A fonte das informações sobre bacias é a base de dados das bacias de nível 3 da Agência Nacional das Águas – ANA, uma cartografia oficial do país.

Fatos importantes sobre a Mata Atlântica

  • A extensão original era de 1, 3 milhão de Km²;
  • Restam apenas 12,5% de remanescentes com mais de 3 hectares;
  • Das 633 espécies de animais ameaçadas de extinção no Brasil, 383 ocorrem na Mata Atlântica;
  • Mais de 20 mil espécies de plantas, sendo 8 mil endêmicas;
  • 270 espécies conhecidas de mamíferos; 992 espécies de aves; 197 répteis; 372 anfíbios e 350 peixes;
  • Abriga sete das nove bacias hidrográficas brasileiras.

 

Créditos

O Aqui Tem Mata é fruto do trabalho e colaboração das seguintes pessoas e organizações:

Fundação SOS Mata Atlântica

A Fundação SOS Mata Atlântica é uma ONG brasileira que trabalha desde 1986 na proteção dessa que é a floresta mais ameaçada do país. Realiza diversos projetos nas áreas de monitoramento e restauração da Mata Atlântica, proteção do mar e da costa, políticas públicas e melhorias das leis ambientais, educação ambiental, campanhas sobre o meio ambiente, apoio a reservas e unidades de conservação, dentre outros. Todas essas ações contribuem para a qualidade de vida, já que vivem na Mata Atlântica mais de 72% da população brasileira. A Fundação realiza em parceria com o INPE o Atlas da Mata Atlântica, que fornece os dados para o “Aqui Tem Mata?”. Saiba mais em www.sosma.org.br.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE

Atua nas áreas de Observação da Terra, Meteorologia e Mudanças Climáticas, Ciências Espaciais e Atmosféricas e Engenharia Espacial. Possui laboratórios de Computação Aplicada, Combustão e Propulsão, Física de Materiais e Física de Plasmas. Presta serviços operacionais de monitoramento florestal, previsão do tempo e clima, rastreio e controle de satélites, medidas de queimadas, raios e poluição do ar, testes e ensaios industriais, entre outros. O INPE aposta na construção de satélites para produção de dados sobre o planeta, e na transformação destes dados em conhecimento, produtos e serviços para a sociedade brasileira e para o mundo. Também transfere tecnologia, fomentando os setores da indústria e serviços no campo espacial no Brasil. Saiba mais: www.inpe.br.

Arcplan

Empresa especializada em geoprocessamento com ênfase em cartografia digital, interpretação de imagens de satélite e fotografias aéreas, desenvolvimento de sistemas WEB GIS, estudos ambientais, planejamento municipal e análise geográfica. Responsável pela execução técnica do Atlas da Mata Atlântica. Site: www.arcplan.com.br

Bradesco Cartões

A Organização Bradesco mantém o compromisso com a sustentabilidade. Através da Bradesco Cartões, a empresa patrocina o Atlas da Mata Atlântica e o hotsite Aqui Tem Mata, e mantém uma parceria de longa data com a Fundação SOS Mata Atlântica, apoiando projetos em defesa do meio ambiente e de um futuro sustentável. Site: www.bradesco.com.br

Máquina Cohn & Wolfe

A Máquina Cohn & Wolfe é uma das maiores agências de relações públicas do Brasil, faz parte da Cohn & Wolfe e do grupo WPP. Com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, tem a combinação de talento e experiência para atender demandas por serviços de marketing integrado, seja de companhias brasileiras ou multinacionais. Possui divisões especializadas em métricas, relações com a mídia, soluções digitais, vídeo, branding, publicidade e design. Globalmente, a Cohn & Wolfe tem 56 escritórios em 30 países. Saiba mais em http://www.maquinacohnwolfe.com.

Infoamazonia

Responsável pela consultoria em dados e visualização do Aqui Tem Mata. O projeto é sustentado por uma rede de organizações e jornalistas que oferecem atualizaçõs constantes. As bases de dados compartilhadas por InfoAmazonia estão sempre disponíveis para download e também serão renovadas com frequência. Saiba mais: http://infoamazonia.org/pt/.

Fonte: SOS Mata Atlântica

Marsha é a ursa mais triste do mundo

Marsha é a ursa mais triste do mundo – Ela vive num zoológico sofrendo de calor e

comendo comida de cachorro.

Após sofrer maus-tratos em circos durante anos, ela foi parar em Teresina onde tenta se esconder do calor de mais de 40ºC cavando buracos no chão. É triste de ver a pobrezinha se contorcendo de calor e ninguém dando bola.

Uma petição de uma membro da Avaaz pedindo que Marsha seja transferida para um local adequado já teve quase 50 mil assinaturas. Nossa comunidade pode fazer o Brasil inteiro saber desse caso. Vamos salvá-la!

Assine a petição para que Marsha pare de sofrer!

A ursa Marsha é da espécie parda e tem 210 kg. Com 26 anos de idade, já sofreu abusos em circos e foi parar em um zoológico. Mantida em cativeiro na capital piauiense, Marsha vive uma situação totalmente inadequada para o bem‐estar de sua espécie.

O gestor do Parque Zoobotânico de Teresina se recusou a doar o animal para um santuário, alegando ter um ambiente sadio, com alternativa de baixas temperaturas e alimentação saudável, o que não é verdade. Precisamos do seu apoio para convencê-lo a fazer a transferência da Ursa Marsha urgentemente.

Clique e assine a petição para salvar a Ursa Marsha desta tortura e, em seguida, compartilhe para todos os seus amigos e familiares:

Assine a petição para que Marsha pare de sofrer!

Nossa comunidade é campeã na luta de proteção dos animais e da biodiversidade — já salvamos espécies da extinção e lutamos para acabar com a caça desenfreada de animais em risco. O caso de Marscha pode parecer pequeno, mas é mais uma chance de mostrarmos nosso amor pela vida dessas criaturas indefesas.

Com esperança e determinação,

Diego, Flora, Nana, Laura e toda a equipe da Avaaz

Mais informações:

Ursa do Zoobotânico de Teresina pode ser transferida por conta do calor (G1)
https://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/ursa-do-zoobotanico-de-teresina-pode-ser-transferida-por-conta-do-calor.ghtml

Petição pública pede que ursa Marsha seja salva do Parque Zoobotânico em Teresina (Oito Meia)
https://www.oitomeia.com.br/noticias/2017/10/20/peticao-publica-pede-que-ursa-marsha-seja-salva-do-parque-zoobotanico-em-teresina/

No Piauí, petição pede que urso seja transferido para evitar calor (SBT)
http://www.sbt.com.br/jornalismo/sbtnoticias/noticias/98813/no-piaui-peticao-pede-que-urso-seja-transferido-para-evitar-calor.html

Pico do Jaraguá – A trilha do Pai Zé

Pico do Jaraguá – A trilha do Pai Zé em 15 de outubro

VOU FAZER UM FILMINHO COM AS FOTOS.

DEPOIS POSTO AQUI. PEDI AJUDA A ALGUNS diretores…

 

PicoJaragua15out2017

PicoJaragua15out2017

PicoJaragua15out2017

PicoJaragua15out2017

Tá aqui o filminho, gente!

 

PicoJaragua15out2017

Pico do Jaraguá

Pico do Jaraguá

No último domingo, dia 15, fiz uma visita ao Pico do Jaraguá. Foi bastante legal e proveitosa. Depois eu conto como foi e posto as fotos aqui…

Acordei cedo, por volta das 8h da manhã. Saí de casa umas 9h. Peguei uma lotação até o metrô. Fui de metrô até a estação Barra Funda. Lá peguei um trem da CPTM até a estação Jaraguá. Depois peguei dois ônibus pra chegar até o Pico. Viagens curtas de ônibus. Uns 10 a 15 minutos até chegar na entrada do Parque Estadual Jaraguá onde fica o Pico.

Entrei, tirei umas fotos de uns patos que ficam por ali. Tenho dúvidas se são patos. As fotos com certeza eu tirei. Como já tinha um tempo que eu havia tomado o café da manhã, tomei um lanchinho antes de subir o morro.

Enquanto comia, via os passantes. Eram pessoas normais, mas cada um com suas manias, fetiches, roupas diferentes, brincadeiras e esquisitices. Acho que eu também era esquisito pra eles. Somos quase todos esquisitos.

Desta vez levei a câmera e tirei várias fotos. Destaque para as fotos da trilha do Pai Zé, que eu tirei completa, trecho a trecho, do início até o fim. Também tirei fotos lá de cima, da paisagem ao redor da antena principal que tem no topo do Pico.

O dia estava bom pra subir o morro, mas havia poucas pessoas no parque. Eu achei bom. Assim não tinha gente atrapalhando as fotos.

A subida foi tranquila. Não foi cansativa. Estou em boa forma.Nem precisei parar pra tomar um fôlego. Subi em primeira até o fim. Deu umas dores leves no músculos,mas nada que me fizesse parar.

Quando cheguei lá em cima, dei uma volta ao redor da antena para ver a paisagem. O Pico é o ponto mais alto da cidade de São Paulo. É legal estar lá e ver as coisas. Tirei umas fotos e fiz uma filmagem. Fiz uma breve refeição e fiquei ali só observando, descansando e meditando.

Muitas coisas passaram pela minha cabeça. Não dá pra contar muito. Foram coisas banais, cotidianas e algumas muito pessoais. Eu queria limpar a mente um pouco. Queria respirar um ar puro, oxigenar a mente, pensar nas coisas da vida, fazer alguns planos e arquitetar sua realização.

Não sei exatamente quanto tempo levei para subir, talvez uma hora ou alguns minutos mais . Pra descer foi um raio: 30 minutos. Eu me surpreendi, tinha visto que o tempo de subida e descida era de 2 horas e meia.

Fui ao ponto, peguei um ônibus até perto da estação de trem, peguei o trem até a Barra Funda. De lá fui de metrô até Artur Alvim e peguei uma van até perto de casa. Eram por volta de 18h 30 quando cheguei em casa.

 

 

FORA TEMER! FORA TEMER! #TodosPelaAmazônia

FORA TEMER! FORA TEMER! #TodosPelaAmazônia