Arquivo da tag: rap

Eu pixava sim (Lembranças de moleque) – MC PAPO [2007]

Música com uma batida da hora e uma mensagem importante para esses tempos.

Tássia Reis – No Seu Radinho (prod. Dj Zala)

Faixa 06 do EP .
Produzida pelo DJ Zala
Voz Adicional, Tiago MAC
Gravada pelo Diamantee, no Chocolateestudio
Mixada e Masterizada pelo Rodrigo Tuchê .

Música do dia “Não existe amor em SP”

Criolo representando um pedaço “grande” não só de São Paulo, mas do Brasil.

João Gordo entrevista Mano Brown

Sabotage

Mauro Mateus dos Santos (São Paulo, 3 de abril de 1973 — São Paulo, 24 de janeiro de 2003), mais conhecido pelo seu nome artístico Sabotage, foi um compositor, cantor e ator brasileiro. Mauro, pai de 3 filhos, nasceu na Zona Sul de São Paulo, onde, depois de ter sido assaltante e gerente de tráfico, encontrou a saída no rap, entrando na música e percebendo o seu verdadeiro dom. A origem do apelido Sabotage deu-se por estar sempre conseguindo burlar as leis com tremendo êxito, como entrar em bailes, festas e boates sem permissões, e saindo ileso de inúmeras confusões. Considerado uma lenda na Zona Sul, ele inspirou vários rappers, como Rhossi, Pavilhão 9, além de ter ensinado Paulo Miklos como ser um digno malandro, no filme “O Invasor”, de Beto Brant, com quem escreveu até uma música. Sabotage fez um único disco solo, o Rap é Compromisso!, e participou de vários CDs com o RZO, SP Funk e outros.

Também fez parte de dois filmes, o já citado “O Invasor”, e o premiado “Carandiru”, além de ter recebido vários prêmios, como personalidade, revelação e outros no Hútus, o grande festival de premiação de rapno Brasil. Morreu com 4 tiros pelas costas em 24 de janeiro de 2003. Vale ressaltar que Sabotage era o próprio compositor e cantor de suas músicas. Em toda sua carreira, compôs dezenas de trabalhos e alguns deles se tornaram uma espécie de hino para expor a árdua opressão que a classe dominada sente perante a dominante. Para muitos, Sabotage é uma rica expressão da constante luta que o pobre enfrenta diariamente para viver dignamente e isso fez com que vários outros artistas usassem suas obras como samples, colagens e scratches de seus trabalhos.

Continue lendo