Arquivo mensais:março 2019

Golpe de 1964 – Fora Bolsonaro – Fora Golpistas

Golpe de 1964 – Fora Bolsonaro – Fora Golpistas

Hoje foi dia de Avenida Paulista. Foi dia para por pra fora as coisas que fazem mal pra gente. Foi dia de falar, ouvir, pensar e agir. Não foi assim um dia de manifestação grande, mas foi dia de uma grande manifestação em São Paulo, no Rio, na Bahia, em Minas, no Rio Grande do Norte,no Rio Grande do Sul, no Paraná, enfim, em todos os estados do Brasil.

Deixamos claro que não aceitamos comemoração de golpe algum, nem de 1964, nem de 2016 nem de 2018. A ditadura militar deixou milhares de mortos e milhões de prejudicados. O golpe de 2016, colocou no poder um vice traidor e vendido. O golpe de 2018, impediu que o preferido do povo reocupasse a cadeira do Planalto, sequestrou-o, prendeu inconstitucionalmente um cidadão que crime algum cometeu e que nem sequer há provas. Há apenas delações de presos que inventaram “crimes” sem apresentar provas documentais. Que Justiça é esta que condena sem argumentos sustentáveis.

Este golpe pode ter sido o mais cruel e mais maldoso porque colocou no Palácio do Planalto uma família inteira de milicianos. Milicianos envolvidos no assassinato de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes. O que dizer de Queiroz que depositava dinheiro na conta de Flávio Bolsonaro e cheque na conta de Michelle Bolsonaro? Instituiu-se um desgoverno federal sem plano algum para administrar o país. Nomearam-se sinistros sem a mínima capacidade de ocupar suas respectivas pastas. Sinistros com contas a acertar com a Justiça. O próprio sinistro Moro da justiça deve explicações para a tal fundação criada para receber os 2,5 bilhões da Petrobras em nome de uma negociação escandalosa com o governo dos EUA.

Temos um sinistro da Educação que nem português fala e que não tem planejamento algum para gerir a pasta. Quando arguido sobre isso, respondia que iria falar com assessores. Demonstrando claramente desconhecer até porque foi nomeado sinistro. Temos uma sinistra dos Direitos Humanos que diz ter visto Jesus no alto de uma goiabeira. Um sinistro da economia que quer aprovar uma reforma previdenciária que obriga os trabalhadores as dívidas de grandes bancos e grandes empresas com o INSS.

Demos o nosso grito de Liberdade e Indignação. Não estamos satisfeitos com este desgoverno federal, o presidente, seus sinistros e demais apoiadores, inclusive seus eleitores que bradavam ser contra a corrupção e se veem diante de tanta corrupção desgovernamental em tão pouco tempo.

Foi só mais uma etapa da Resistência. Não daremos trégua para esses milicianos que tentam dominar o Brasil. Denunciaremos suas falcatruas, seus “líderes” e comparsas. Lutaremos para que o crime não se consolide na presidência. Militantes do PCO, do PT, do PCdoB, de outros coletivos e movimentos de esquerda, as torcidas organizadas Democracia Corinthiana, do Corinthians, e Porcomunas, do Palmeiras, participaram; torcidas antifascistas do Santos, do São Paulo, da Ponte Preta manifestaram apoio ao ato.

Na Paulista como de costume muita gente, muitas manifestações políticas e artísticas e culturais. Particularmente, posso citar uma banda de rock do PCO, com canções próprias conscientizando sobre as explorações de trabalhadores pelos patrões, bradando contra o golpe de 1964 e de 2018. Em especial um hino das manifestações de resistência: pra não dizer que não falei das flores. Infelizmente, Geraldo Vandré, o compositor, passa por um estágio muito ruim, ele nega que seja revolucionário, que era contra a ditadura. Ainda por cima, chega a elogiar os militares.

De brinde, vimos músicos na rua oferecendo boas oportunidades de espetáculos. Especialmente musicais, que evocavam harmonia, emoção e diversão para todos. Ei-los aí:

Banda Revolução Permanente
MPB e dança cigana
MPB e Dança Cigana

Eu não me lembro os nomes dos artistas. Se alguém souber, ponha nos comentários, por favor. Fico muito agradecido.

Golpe de 1964 – Ditadura nunca mais

Golpe de 1964 – Ditadura nunca mais

É importante lembrar para nunca mais reviver

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, com o objetivo de celebrar a resistência da sociedade brasileira contra o estado de exceção determinado pelos militares há mais de 50 anos, organiza uma campanha permanente em memória dos/as trabalhadores/as em educação que lutaram contra a Ditadura e foram vítimas do Golpe.

O site ditaduranuncamais.cnte.org.br é colaborativo e foi criado para destacar o retrocesso na educação brasileira por um regime que cassou direitos individuais, coletivos e políticos, abusou da integridade física e psíquica de milhares de pessoas, impôs ideologias conservadoras à sociedade, perseguiu, prendeu, torturou, exilou e matou cidadãos e cidadãs, cujos crimes (muitos deles) ainda carecem de elucidação e/ou reconhecimento por parte do Estado.

Thaís Chaves, Carta Capital

Jair Bolsonaro, na noite da segunda 25, orientou o Ministério da Defesa para que nas unidades militares realizem comemorações aos 55 anos do golpe que instaurou uma ditadura militar no Brasil, no domingo 31. Nesta terça-feira 26, o Ministério Público Federal reagiu e contestou a recomendação infeliz do presidente.

Em nota emitida pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, o MPF diz: “É incompatível com o Estado Democrático de Direito festejar um golpe de Estado e um regime que adotou políticas de violações sistemáticas aos direitos humanos e cometeu crimes internacionais”.

No documento, o órgão relembra que em 1964 vigorava a Constituição de 1946, que previa eleições diretas para a Presidência da República, e que, além do golpe de Estado ter caracterizado “um rompimento violento e antidemocrático da ordem constitucional”, hoje ação similar seria considerada um crime inafiançável e um atentado à Constituição de 1988.

O MPF reitera: o apoio da Presidência da República ou de altas autoridades ao golpe configura crime de responsabilidade, pelo artigo 85 da Constituição e pela Lei n°1.079, de 1950.

Leia a nota na íntegra no site da Carta Capital

Fonte: Ditadura nunca mais

Protesto contra a comemoração do golpe militar de 1964

Protesto contra a comemoração do golpe militar de 1964

Em todo o Brasil, serão realizados protestos contra a comemoração do golpe militar de 1964, proposto pelo presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores. Não basta termos que estar desgovernados, eles querem fazer mais maldades contra o povo brasileiro, contra os trabalhadores brasileiros, independentemente até de ter votado nele ou não.

Certamente milhões de trabalhadores sairão às ruas para protestar contra mais uma imbecilidade deste capitão do exército metido a comediante de quinta categoria.

Não vamos capitular diante de ações altamente prejudiciais aos trabalhadores e medidas extremamente desrespeitosas.

Seremos Resistência!

A Farsa da Reforma Previdenciária pelo senador Jorge Kajuru

A Farsa da Reforma Previdenciária pelo senador Jorge Kajuru

Dilma contra a ditadura

Dilma contra a ditadura

Depoimento de Dilma Roussef