Arquivo mensais:outubro 2019

Bacurau, meu filho! Que que foi isso?

Bacurau, meu filho! Que que foi isso?

Tudo anda tão difícil. tão complicado, tão esquisito, tão burlesco neste mundo nosso de cada dia dos anos 2010. Nunca vimos tantas coisas ruins acontecerem ao mesmo tempo e serem transmitidas nas redes de televisão, rede sociais, rádios, jornais e internet. A bem da verdade que somos consumidores habituais de notícias ruins. Parece que só notícia ruim tem valor e pode aguçar nossa mais simples curiosidade.

Essa variedade até que interessa. Precisamos ter muitas informações e saber o que fazer com elas. Ninguém ensina. Elas estão por aí correndo atrás de nós. Temos que ter muito cuidado para não sermos engolidos por elas ou até violentados. Elas carregam um nível alto de violência e intenção destrutiva. Estamos constantemente correndo perigo. Pra quem interessa esta excitação violenta? Qual a utilidade dela?

Fui ver Bacurau. Um amiga convidou-me e aceitei. Tinha alguma informação sobre o filme. Então foi com tranquilidade que aceitei o convite. Tava mais a fim de rever minha amiga do que ver o filme embora tivesse conhecimento de que se tratava de um história bem brasileira. Mesmo assim, não tinha a mínima ideia do que veria. Não fucei muito pra não perder a graça. Foi realmente surpreendente.

A minha expectativa era ver um filme autoral com características bem brasileiras. Cheio de personagens pitorescos e um enredo menos dinâmico. Esperava algo que me chamasse mais a atenção e exigisse mais paciência para não perder os detalhes que importam. Não foi bem isso que aconteceu. Pode ser culpa minha ou do filme mesmo. Estou tentando entender a intenção do filme.

A história fala sobre um lugar que sumiu do mapa e desenvolve-se num formato esquisito. Às vezes parece um filme, outras vezes, parece um jogo. Penso que nunca vi um filme assim. Cheguei ao ponto de sugerir uma mudança. Diz respeito às partes que parece um jogo, um videogame de perseguição, destes que estão em moda ainda. Creio que nunca saem de moda. Conversando com minha amiga, eu disse que estas partes, em que ocorrem os confrontos, poderiam ter formato de desenhos. Penso que a história seja sobre um bando de um povo que deseja dominar um vilarejo eliminando seu povo.

Tem muita cenas de violência. Tem muito sangue e mortes. Eu me pergunto como pode um filme ser feito com tantas cenas de violência e ser tachado de normal. Eu não gosto muito de filmes cheio de cenas violentas. Entretanto, eu vejo e entendo alguns quando tem uma abordagem mais reflexiva e não se limita a exposição pela exposição.

Vejo no filme um embate entre duas forças equivalentes. De um lado, um grupo de soldados muito bem suportados para invadir e conquistar um território. Do outro, um grupo de habitantes normais de uma cidade simples, que luta de igual pra igual contra os invasores. Nesta disputa, parece-me que os invasores se sentem imensamente superiores e certos da vitória. Por outro lado, vemos um grupo de resistência que prima sobretudo por uma estratégia inteligente de defesa, que surpreende os invasores e o conduz à vitória.

Os personagens são bem peculiares. Cada um deles tem características intrigantes, muito diferentes, muito ligadas entre si. Parecem formar um time que joga por telepatia. Cada um sabe exatamente o que acontece e o que precisa fazer pra atacar e pra defender o vilarejo. Destaco por ora o político da cidade,uma mistura de Jair com Maia. Por fim, Lembremos que são dois grupos adversários.

O filme em si parece uma refilmagem de histórias antigas dos tempos dos grandes “descobrimentos”, das grandes navegações. Quer dizer, uma reedição. Uma metrópole descobre um lugar cheio de riquezas e invade-o, tenta matar seus habitantes e conquistar o território. Porém, neste caso, dão-se mal, os locais vencem os invasores.

Bacurau é a antítese da História que sempre se repete. Países mais poderosos descobrem países ricos em recursos e tentam conquistá-los. Invadem seu território, exterminam suas populações e roubam suas riquezas. Não é o que ocorre no filme. Os invasores são sumariamente exterminados. Inclusive, traidores entre os locais são identificados e eliminados.

É um filme interessante, questionador da ordem e de certa forma catártico para as pessoas que se sentem desconfortáveis com a vigente ordem conservadora. Surpreendem o formato do filme pela sua dinâmica, seu enredo e seu final apoteótico invertidos. Não dá para dizer que o filme resolve nossos problemas, mas podemos dizer que ele aponta caminhos.

Elton John – Funeral for a friend/Love lies bleeding

Elton John – Funeral for a friend/Love lies bleeding

The roses in the window box
Have tilted to one side
Everything about this house
Was born to grow and die

Oh it doesn’t seem a year ago
To this very day
You said I’m sorry honey
If I don’t change the pace
I can’t face another day

And love lies bleeding in my hand
Oh it kills me to think of you with another man
I was playing rock and roll and you were just a fan
But my guitar couldn’t hold you
So I split the band
Love lies bleeding in my handsI wonder if those changes
Have left a scar on you
Like all the burning hoops of fire
That you and I passed through

Elton John – Blue eyes

Elton John – Blue eyes

Blue eyes
Ooh I love blue eyes
When I’m by her side
Where I long to be
I will seeBlue eyes laughing in the sun
Laughing in the rain
Baby’s got blue eyes
And I am home, and I am home again

Blue eyes laughing in the sun
Laughing in the rain
Baby’s got blue eyes
And I am home again

Não quero abraçar Camões nem Nobel

Não sei se quero ficar famoso

Pode causar muitos transtornos

Não quero ser seguido nem perseguido

Não quero ser famoso nem rico

Não me atraem grandes fortunas

Elas que paguem seus impostos com taxas justas.

Não sei se quero ser confundido com algum grande artista

Nem sei se sou um

Talvez eu insista

Ainda tenho tempo.

Não quero levar o prêmio de melhor romancista

do Universo Paralelo.

Não quero abraçar Camões

Nem Nobel.

Não sei se eles leram direito meus escritos

Não sei se vale a pena correr o risco.

Procuro algo mais tranquilo

mas que me faça respirar ofegante

Procuro viagens alucinantes

que me alimentem a alma.

Quero espalhar por aí minhas aventuras

mas não quero revelar meu nome.

Quero estar sozinho

quando ninguém me quiser de companhia.

Em certos momentos a solidão

tende a ser a melhor amiga.

Quero ser assim como sou

E seguir vivendo quase anônimo.

Não sei se vou conseguir

Porque sei que me arrisco

Expondo meus poderes

Revelando meu lado pensante.

Sou um entre milhões

Sou um entre bilhões

Sou apenas um.

Casa das Caldeiras recebe o Samba do Sol no TODODOMINGO EXTRAORDINÁRIO

Foto: Dule Oliveira – Studio Vikings

Edição extraordinária do projeto TODODOMINGO Musical em SP recebe o evento que celebra os cinco anos do Samba do Sol. 

Samba do Sol celebra cinco anos com evento especial na Casa das Caldeiras

No próximo domingo, dia 20 de Outubro de 2019, a partir de 15h00, o TODODOMINGO MUSICAL EM SP, projeto da Associação Cultural Casa das Caldeiras realiza uma edição extraordinária para celebrar os cinco anos da festa Samba do Sol

Serão quatro ambientes ocupados por diversas atrações surpresa. Três Rodas de Samba, sete DJs convidados, Feira de Artes e Feira Gastronômica e um espaço especial para as crianças. 

Os organizadores avisam que para garantir a entrada sem filas é necessário adquirir o ingresso antecipadamente através do link: https://www.sympla.com.br/samba-do-sol-o-5-anos-o-na-casa-das-caldeiras__677876

O ingresso antecipado garante a entrada no Samba do Sol na Casa das Caldeiras, algo que tradicionalmente é concorrido. 

O TODODOMINGO Musical em SP é um projeto da Associação Cultural Casa das Caldeiras que acolhe produtores de diferentes linguagens para ocupar este que é um dos principais patrimônios históricos da cidade. O projeto tem como foco principal a produção cultural independente e o acesso à arte e cultura.

A celebração de cinco anos de Samba do Sol faz parte da edição extraordinária do projeto TODODOMINGO. 

Casa das Caldeiras – Uma fábrica que produz histórias e encontros

“Casa das Caldeiras” é uma antiga fábrica construída em 1920 para abrigar Caldeiras. Localizada na Avenida Francisco Matarazzo, em 1998-1999, esta fábrica foi restaurada e transformada em um polo que tinha como intuito se relacionar com a cidade de diferentes formas. Desde então, abriu suas portas para os cidadãos, artistas, empresários, pesquisadores, educadores e após alguns anos, passou a ser reconhecida como palco de eventos culturais, sociais, privados e corporativos, valorizando os encontros, as relações sociais e a construção de novas histórias.

Desde então, se tornou um polo de cultura independente que é referência em São Paulo, com importantes programas como o Obras em Construção (Residência Artística), TODODOMINGO Musical em SP e Manual em Família – A arte de educar e aprender (Projeto com famílias em diferentes territórios e vivências de sensibilização com técnicos da Assistência Social que tem seu trabalho pautado no trato com essas famílias).

Para mais informações acesse: https://www.facebook.com/casadascaldeiras/

Link do evento: https://www.facebook.com/events/403409947044476/

TODODOMINGO EXTRAORDINÁRIO recebe Samba do Sol na Casa das Caldeiras

O evento celebra os cinco anos da festa que celebra o samba e a cultura popular. Serão quatro ambientes ocupados por diversas atrações surpresa. Três Rodas de Samba, sete DJs convidados, Feira de Artes e Feira Gastronômica e um espaço especial para as crianças. 

Quando: dia 20 de outubro de 2019 – Domingo

Horário: 15h às 23h

Classificação etária: LIVRE

Valor de ingresso

Ingresso Antecipado: R$ 20,00 

Ingresso na Porta do Evento: R$ 25,00

*Entrada Gratuita* na 1ª hora do evento (válido para as 300 primeiras pessoas que chegarem)

O ingresso antecipado garante sua entrada sem filas e a qualquer hora do evento, mesmo em caso de lotação e podem ser adquiridos através do link: https://www.sympla.com.br/samba-do-sol-o-5-anos-o-na-casa-das-caldeiras__677876)

Onde: Casa das Caldeiras 

Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 2000 – Água Branca, São Paulo – SP, 05001-200

Informações – (11) 3873-6696 ou casadascaldeiras.com.br/blog

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini – Cel.: 99568-8773 – lucigandelini@gmail.com