Arquivo da categoria: Poema

Poema, poesia, prosa.

Florbela Espanca

Florbela Espanca

Resultado de imagem para florbela espanca

Florbela Espanca

Flor de cheiro triste

Bela nas palavras

Espanca a dor que a persegue

Chora, sofre, grita, aceita.

Ama desesperadamente

Se contorce nos ares

Voa sem asas

Chora nos túmulos dos amores.

Tudo vê, tudo sente, tudo vibra

Florbela espanca-se, machuca-se,

sofre-se, perturba-se a alma

Entrega-se ao lobo

Vive e morre flor

Vive e sofre amor.

novembro azul

Fiz este poema após ler algumas poesias de Florbela

Carta de aniversário a um amigo

Carta de aniversário a um amigo

Querido amigo H. , Parabéns por mais um ano de vida.

Desejo que tenha à sua volta bons amigos. Que tenha apoio quando precisar. Que tenha pessoas em quem confiar. Que quando se sentir ameaçado ou desrespeitado, tenha força para lutar. Que não seja alvo de calúnias nem mentiras. Que não seja alvo de injustiças, que não seja acusado de crimes que nunca cometeu.

Que o sol que brilha neste dia sirva de inspiração e energia para seus planos futuros. Que haja sabedoria e consciência nas suas realizações. Que não haja cegueira nem prepotência. Que haja respeito à Humanidade. Que haja respeito à natureza. Enfim, que haja respeito no modo hard.

Que você encontre alguém para amar e seja correspondido. Que ame infinitamente e seja muito amado. Que isso lhe traga muita felicidade.

Que tenha riqueza suficiente para viver bem. Mas que ela não comande seus passos nem ações.

Certa vez fiz um poema, tocado pelo covarde assassinato de Marielle Franco e Anderson. Peço sua licença para dedicar-lhe como forma de homenagem e demonstração do que desejo às pessoas que morrem por lutar por dias melhores, principalmente aos menos favorecidos, caluniados, perseguidos e mortos.

Despeço-me aqui.

Um grande abraço.

SP, 01/nov. 2019 Elton Carlos

novembro azul
O bigode e o laço azul são os símbolos do movimento Novembro Azul

Dias terríveis

Dias terríveis

Tantas coisas esquisitas têm acontecido.

Temos visto tantas tragédias, vivido dias terríveis, dias esquisitos…

Nossas veias pulsam velozes, quentes, sufocantes.

Nossas ideias transitam ligeiras, mas suaves, buscam referências,

buscam a essência da verdade onde têm muitas mentiras e incertezas.

São dias terríveis, mas não nos causam medo nem imobilidade.

Tem tanto desgoverno, demências e indecências,

que deixa perplexo o mais calmo guru indiano.

Vemos discursos de desdém, de ódio e destruição.

Vemos gente estranha e poses estranhas,

vemos lentes poluídas mentindo pra gente.

Procuramos um porto seguro, seguramos pra não chorar,

mas continuamos resistentes, prudentes e potentes.

Seria bom se o pesadelo tivesse fim,

temos vidas para viver, queremos crescer, queremos ser…

Parece que foi ontem, mas o sonho ruim vem de antes,

tem precedentes e indecentes

no seu comando…

Quem vai acabar com isso?

Quando vamos por um ponto final?

Por que deixamos prosseguir?

Qual a estratégia?

São dias terríveis. São gestos bizarros. São olhos insanos.

São tantas tolices, tantas perdas, tantos loucos juntos…

Batem nos peitos corações sedentos por Justiça.

Repousa nas mãos Força quase incontrolável,

prontas pra derrubar os inimigos.

Queremos nossa Liberdade de volta!

Repudiamos suas sandices e deboches!

Lutamos por dias melhores…

Outubro Rosa

Continuaremos sabendo…

Continuaremos sabendo…

De onde vêm estas crianças, estes adolescentes?

Quem são estes professores?

O que viemos fazer aqui?

Se fosse fácil, todo mundo gostaria de viver aqui

Se fosse inútil, não teríamos o Boa Esperança

Se fosse possível, teríamos melhores condições

ofereceríamos melhores lições

Somos diferentes, temos diferenças

Temos conflitos. Buscamos soluções

Construímos castelos. Alimentamos sonhos

Lutamos bravamente. Vivemos a realidade.

Projetamos nosso futuro. Plantamos Respeito e Dignidade.

Entendemos nossos limites, mas queremos ir além.

Somos negros, índios, brancos, mestiços

Temos nossas culturas, nossas religiões, nossas identidades.

Temos nossas virtudes, nossos defeitos

Fazemos da nossa vida nossos momentos de aprender.

Queremos um mundo melhor, mais bonito, mais justo.

Queremos uma vida mais completa, mais legal, mais vida.

Somos homens, mulheres, crianças e adolescentes.

Somos feitos do mesmo barro, das mesmas sementes,

mas nos sabemos diferentes.

Temos nossas histórias, temos nossa história aqui.

Temos vida dura, vida sofrida, vida batida.

Temos vida feliz, vida aguerrida, vida bandida.

Temos identidade, diversidade, nossas verdades.

Temos forças e fraquezas

Feiúras e belezas

Baixos e altos

Alegrias e tristezas

Construímos corpos e mentes

Plantamos sementes

Regamos quando podemos.

Sabemos o que fazemos

E não fazemos.

Enquanto nos for possível

Continuaremos construindo, plantando, regando

e sabendo…

Outubro Rosa

Não quero abraçar Camões nem Nobel

Não sei se quero ficar famoso

Pode causar muitos transtornos

Não quero ser seguido nem perseguido

Não quero ser famoso nem rico

Não me atraem grandes fortunas

Elas que paguem seus impostos com taxas justas.

Não sei se quero ser confundido com algum grande artista

Nem sei se sou um

Talvez eu insista

Ainda tenho tempo.

Não quero levar o prêmio de melhor romancista

do Universo Paralelo.

Não quero abraçar Camões

Nem Nobel.

Não sei se eles leram direito meus escritos

Não sei se vale a pena correr o risco.

Procuro algo mais tranquilo

mas que me faça respirar ofegante

Procuro viagens alucinantes

que me alimentem a alma.

Quero espalhar por aí minhas aventuras

mas não quero revelar meu nome.

Quero estar sozinho

quando ninguém me quiser de companhia.

Em certos momentos a solidão

tende a ser a melhor amiga.

Quero ser assim como sou

E seguir vivendo quase anônimo.

Não sei se vou conseguir

Porque sei que me arrisco

Expondo meus poderes

Revelando meu lado pensante.

Sou um entre milhões

Sou um entre bilhões

Sou apenas um.

Outubro Rosa